terça-feira, 15 de março de 2011

Uso de softwares educativos no ensino de física moderna

Segundo o professor João Zanetic da USP, podemos dizer que é extremamente necessário que se ensine a física do século XX antes que ela acabe. Assim sabendo que o ensino de física moderna e contemporânea é de vital importância para o entendimento do mundo criado pelo homem contemporâneo, o professor de física da Escola Estadual Abdias Menezes em Vitória da Conquista em conjunto com estudantes de física da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia confecionaram simulações computacionais que simulam fenômenos de física moderna. 


Este projeto foi aplicado em turmas do ensino médio da Escola Estadual Abdias Menezes, sendo que dois temas de física moderna foram explorados junto aos alunos. Os conteúdos estudados foram: Dualidade Onda-Partícula e Relatividade.

Com o objetivo de expor o conteúdo de física moderna usando simulações computacionais para promover nos discentes uma motivação pelos conceitos físicos, além de explorar o conteúdo reduzindo o ferramental matemático, a aula de física foi realizada no laboratório de informática da escola.

Os sistemas computacionais apresentam diversos recursos de multimídia, como cores, animação e sons que permitem a apresentação da informação de uma maneira que jamais o professor tradicional poderá fazer mesmo sendo um exímio comunicador. Sendo hoje o uso do computador no processo pedagógico uma realidade e uma conquista da escola, seu emprego não se restringe mais a poucas escolas privilegiadas, pois pode ser encontrado tanto em escolas particulares quanto em instituições das redes pública. E tendo as máquinas um incrível poder de fascinação sobre os alunos; o computador deve ser usado como meio para implementar o que com outros recursos seria difícil obter, com a finalidade de facilitar a aprendizagem individual do conteúdo. 

Dentro do tema Dualidade Onda- Partícula, o foco foi a experiência de Young, (figura ao lado) . Já na Relatividade, o foco foi as conseqüências da relatividade (figura abaixo), como por exemplo, a contração do tempo e a dilatação do espaço.
Este projeto apresentou resultados satisfatórios, visto que 88% dos alunos aprovaram o uso de simulações no auxílio doprocesso de ensino-aprendizagem. 

 
Outro resultado interessante foi que 96% dos discentes julgaram interessante e necessário a exposição de tópicos de física moderna nos conteúdos programados para o ensino médio , com o intuito de relacionar as evidências do cotidiano com a física, que atualmente se encontra em praticamente todo o meio que os cercam. Este número é mais impressionante quando 69% dos discentes que antes da aplicação do software não saberiam relacionar a física moderna com qualquer objeto ou fenômeno do cotidiano agora se mostram curiosos em compreender melhor essa física do século XX.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Telescópio espacial flagra tempestades ejetando antimatéria para o espaço

Você sabe o que é antimatéria?
      Em física de partículas antimatéria seria uma extensão do conceito de antipartícula da matéria. Antimatéria é compota de antipartículas da mesma forma que matéria normal é composta por partículas. Por exemplo, um anti-elétron (um pósitron ou um elétron com carga positiva) e um antipróton (um próton com carga negativa) poderiam dar forma a um átomo de anti-hidrogênio da mesma maneira que um elétron e um próton dão forma a um átomo normal do hidrogênio da matéria.


      O telescópio espacial Fermi, especializado na observação de raios gama, detectou feixes de antimatéria produzidos acima das tempestades na Terra, um fenômeno nunca visto antes.
      Os cientistas acreditam que as partículas de antimatéria foram formadas em um flash de raios gama terrestre (TGF), uma rápida explosão produzida no interior das tempestades de raios. "Esses sinais são o primeiro indício direto de que as tempestades produzem feixes de partículas de antimatéria," afirma Michael Briggs, da Universidade do Alabama, nos Estados Unidos.Ele apresentou os resultados das pesquisas com o telescópio da NASA nesta segunda-feira, durante uma entrevista coletiva na reunião da Sociedade Astronômica Americana, em Seattle.

(fonte: http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias)

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Dúvida em que carreira seguir? Que tal Física?

Física

É o estudo da relação entre a matéria e a energia, de suas propriedades e das leis que regem sua interação. Longe de ficar saturada, a área de ensino ainda é a que mais contrata esse profissional. Há uma carência de professores de física no Brasil, por isso é comum as secretarias de Educação empregarem estudantes a partir do quarto semestre para serem professores.

O que você pode fazer

Acústica e vibração:Desenvolver materiais isolantes e protótipos para as indústrias automobilística, aeronáutica e aeroespacial.

Biofísica ou física biológica: Estudar os aspectos físicos dos processos biológicos.

Ensino: Lecionar no Ensino Fundamental, Médio ou Superior.

Física ambiental:Estudar propriedades físicas da atmosfera relacionadas com as mudanças climáticas globais provocadas por queimadas e emissão de CFC.

Física médica ou biomédica: Desenvolver e aplicar instrumentos e técnicas de diagnóstico e terapia, como radiologia e medicina nuclear.

Física nuclear: Investigar a origem, evolução e estrutura da matéria nuclear.

Instrumentação: Criar equipamentos de precisão.

Magnetismo: Utilizar a força magnética em suas diversas aplicações, como em aparelhos de gravação de dados e sistemas de amortecimento na indústria automobilística.

Materiais: Desenvolver materiais para a indústria, como metálicos eletroeletrônicos, polímeros, cerâmicos, semicondutores e fibras ópticas.

Oceanografia física: Analisar as relações entre o mar, a atmosfera e a Terra, do ponto de vista físico.

Óptica: Trabalhar na fabricação e no emprego de lentes e dispositivos, desenvolvendo, por exemplo, equipamentos a laser.

Pesquisa: Elaborar, testar e aplicar teorias científicas nas diversas áreas da Física.

 

Dentre as universidades classificadas com um curso 5 estrelas temos: 
  • Universidade Estadual de Campinas em Campinas
  • Universidade Federal de Minas Gerais em Belo Horizonte
  • Universidade Federal do Ceará em Fortaleza
  • Universidade Federal de Pernambuco em Recife
  • Universidade de São Paulo em São Paulo
  • Universidade de São Paulo em São Carlos
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro
(Fonte: http://guiadoestudante.abril.com.br/profissoes/)

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Viagem no tempo

      Em 2001, o físico inglês Stephen W. Hawking chegou à conclusão de que a viagem no tempo era possível. Antes, considerava tal idéia  impossível. A questão que o atormentava era o que se convencionou chamar de paradoxo do avô. Se alguém conseguisse viajar ao passado e matar o próprio avô antes que ele tivesse filhos, esse viajante não poderia ter nascido – e muito menos ter voltado no tempo para matar o avô.
      A maioria dos cientistas, inclusive Albert Einstein, sempre resistiu à idéia de viagens no tempo. Como escreveu Stephen Hawking, "ainda que a viagem no tempo se mostre impossível, é importante entendermos por que ela é impossível".
video
      Este vídeo que estou postando é bem legal e elucida muitas questões quanto a viagem no tempo.

A luz da Lua, como você nunca viu antes


Sombra e luz


      Este "mapa de iluminação" foi construído a partir de mais de 1.700 fotografias tiradas da mesma área do Pólo Sul da Lua, captadas pela sonda LRO (Lunar Reconnaissance Orbiter) durante um período de seis meses.
      O objetivo deste mapa é mostrar o nível de iluminação em cada ponto do Pólo Sul - na verdade, a LRO está produzindo mapas de iluminação também do Pólo Norte da Lua, uma informação importante para futuras missões exploratórias.
      O eixo de rotação da Lua tem uma inclinação de apenas 1,54 ° (em comparação com 23,5 ° da Terra).
Isto deixa algumas áreas próximas aos pólos em permanente sombra, enquanto outras regiões vizinhas permanecem iluminadas na maior parte do ano.
      Um dos principais objetivos científicos da LRO é identificar estas regiões de forma inequívoca - já pensou mandar uma sonda com painéis solares pousar em uma área e só depois descobrir que ela fica na sombra mais tempo do que se acreditava?
      Quanto mais clara é a área, mais iluminação ela recebeu ao longo do período. Neste caso foram seis meses, mas a LRO está fazendo também mapas mensais e anuais dos pólos lunares.

Mapa de iluminação

      Em um período de seis meses - o que corresponde a seis dias lunares - a LRO capturou 1.700 imagens do Pólo Sul, sempre cobrindo a mesma área. Cada imagem foi projetada e convertida em uma imagem binária - se o solo estava iluminado o pixel foi definido como um, e se estava sombreado o pixel foi definido como zero - criando uma diferenciação entre regiões iluminadas e regiões sombreadas.
      Todas as imagens binárias foram sobrepostas para criar uma imagem final, em que cada pixel assumiu um valor equivalente à porcentagem do tempo (seis meses) em que ele ficou 0 (sombreado) ou 1 (iluminado).
      Estava pronto o mapa de iluminação, mostrado acima. Esta não é a primeira vez que a LRO produz uma imagem da Lua do tipo "como você nunca viu antes".Há menos de três meses, a sonda da NASA fez um mapa inédito das cratéras da lua, que permitiu que os cientistas descobrissem populações distintas de asteroides que atingiram nosso satélite.

(fonte: http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=mapa-iluminacao-lua&id=020130101217)

Por que Física?

           Acredito que em quase todas as turmas de ensino médio e algumas de ensino superior essa pergunta ja foi feita: "Mas porque a gente estuda física?".
         Um site bem legal de física (fisica.net) tem um texto que diz o seguinte:  "A Física é o campo da ciência que investiga os fenômenos e as estruturas mais fundamentais da natureza. O conhecimento acumulado neste campo tem possibilitado à humanidade compreender aspectos cada vez mais complexos da natureza e, através dele criar sistemas, dispositivos e materiais artificiais que tem contribuído decisivamente para o progresso tecnológico". Legal!
         Talvez você deva estudar física por dinheiro. Afinal atualmente se fala na comunidade científica que 30% de toda a economia mundial são dependentes dos conhecimentos da Mecânica Quântica. Por dinheiro não. Pelo menos não aqui no Brasil.
         Quem sabe você não deva estudar física pelo estereótipo de pessoa inteligente. Quem estuda física com certeza ja ouviu a frase: "Cara você estuda física? Tem mesmo cara de inteligente". Cara de inteligente? O que é isso?


        Nããoo.
       Acredito que o melhor motivo de se estudar física é o que diz o fisca.net. A física me apresenta os porquês da natureza e eu sou curioso. Existe motivo melhor que este? Então vamos conhecer a natureza? Desde a miudeza dos átomos e partículas subatômicas a imensidão das galaxias temos muita coisa a estudar!